segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Mirror, my mirror...

Hypocrisy – when someone pretends to have certain beliefs or opinions that they do not really have – used to show disapproval.
Prejudice – an unreasonable dislike and distrust of people who are different from you in some way, especially because of their race, sex, religion etc – used to show disapproval.

Longman Dictionary

There is no such thing as “I have no prejudice”. As Mister Longman says, prejudice is an UNREASONABLE dislike. It is unreasonable because everybody carries a little bit of prejudice inside. And then it comes to hypocrisy, you judge people, make them feel bad so you can feel good and in the next minute, you’re doing the exact same thing you criticized! You PRETEND you are better than the other, but actually you’re nothing in comparison.
But that is how society is, people don’t learn to look themselves in the mirror, the one on your side is always worst than you. Have you stopped to think that maybe that strange girl’s only piece of clothing is the one she is wearing? Have you considered that it could hurt her?
Prejudice! Everybody thinks that is okay to criticize other people’s clothing, and when it comes to their turn to be criticized they feel angry! What’s wrong with that hair? That purse? Those shoes? Who cares?!?! Shut your mouth and put yourself on your place! That life over there is not yours for you to mess up with!
Yes, shut up and listen to yourself. You are not even a bit close to God to judge what is right or what’s wrong. Respect one’s style, respect one’s thoughts.
People tend to criticize and forget they are as vulnerable as everyone. Of course you can comment on something once in a while, you won’t go to hell for that! But looking yourself carefully in the mirror would be a great help!
Make a self evaluation once a month. If you see something you do is bothering people, if it’s not a good quality you have, try to change it. It’s worth the effort, after all. Nobody can change you, only you can. And we can’t wait for people to show us what’s wrong, remember the mirror? It can be a good friend sometimes…

terça-feira, 13 de outubro de 2009

The wind

(Não reli, e não revisei, apenas postei... sorry)
The wind blows in my face, it plays with my hair. I breathe deeply and the cold air feels like ice going down my throat. My eyes are closed now, sometimes is good to close your eyes, it feels good now. I smile at the wind, so smoothly caressing my skin. I hear the music in it, the music of nature, the beautiful sound of the sea. But there’s another sound coming from the background of this scene. My heart accelerates, it is thudding in my ears, Why?. It forces me to open my eyes. Nothing. Nothing except the pink-orange-almost-purple sky above my eyes. And I hear it again. A call. No answer.
– Who’s there?, Silence.
Nothing moves, even the wind stopped. Nothing but the dark green mass in front of me moves. Is the forest alive?
– Who’s there?, and now it was almost a whisper. The purple color took over the sky. The night comes.
I’m not scared, I know that. But why is my heart beating so loudly in my chest? I know this forest by heart, I’m alone. Me and the wind, waiting…
I hear the call again, it’s nearer. As if by magic, my legs move forward, unafraid. Is it a spell? No, I can feel my desire to move.
Is it the time? Did he really come for me? Oh… it can’t be true. I’ve lost hope. I can’t keep on thinking about something that won’t happen. But I can’t help thinking of it, maybe, just maybe, it could be true.
I move forward, in a mid-run. A sudden stop. A shadow moves by the ancient oak. I stopped, yes, but the wind started to blow faster than before. Now I see, his beautiful figure bowing towards me, his blood red cloak swirling up with the wind, he takes a step, he’s coming to me, I see his smile…

It is bright. The sun burns my back. I’m lying beneath the ancient huge oak tree… Was that a dream?
Silence. The wind plays with my hair once again, and we wait.

segunda-feira, 17 de agosto de 2009


Como o vento que levanta as folhas caídas ao chão
Aquele som a desperta, a faz viver novamente
É um canto, um canto que vem de parte alguma
Mas que está por todo lado, em cada partícula viva
E o canto vibra como notas musicais em seu corpo
E ela surge das sombras, surge sem ar
A brisa a leva cada vez mais alto
E cada tentativa inútil de inspirar aquele som,
Para que se espalhe por toda a extensão de seu corpo,
Faz com que seu coração vibre mais
E a música se torna mais alta
E o sangue queima em suas orelhas
E arde em seu pescoço
E se não estivesse flutuando, desabaria por fraqueza nas pernas.
Seus olhos ardem também
Estão úmidos
E a pobre máquina em seu peito se esforça mais
Palpita mais
Anunciando o que ela mais quer ver chegar,
Suas mãos dormentes encostam-se na pele quente
E o cheiro de mar, de vento, de estrelas se mistura ao sabor daquele som
Hesitação. Mais um suspiro
Ela fecha os olhos, não sabe por que
Não escuta mais a música, seu coração bate alto demais
O tempo pára
Não existe mais mundo além dela...
Além dele
Ela o beija.
A música explode em seus ouvidos,
É difícil respirar
Mas não importa.
Kelly Nery

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

I'll go crazy if I don't go crazy tonight - U2

Some music to excuse the last post.. hehe
She's a rainbow and she loves the peaceful life
Knows I'll go crazy if I don't go crazy tonight
There's a part of me in the chaos that's quiet
And there's a part of you that wants me to riot
Everybody needs to cry or needs to spit
Every sweet tooth needs just a little hit
Every beauty needs to go out with an idiot
How can you stand next to the truth and not see it?
Oh, A change of heart comes slow
It's not a hill, it's a mountain
As you start out the climb
Do you believe me, or are you doubting
Oh We're gonna make it all the way to the light
But I know I'll go crazy if I don't go crazy tonight
Every generation gets a chance to change the world
Pity the nation that won't listen to your boys and girls
‘Cos the sweetest melody is the one we haven't heard
Is it true that perfect love drives out all fear?
The right to appear ridiculous is something I hold dear
Oh, but a change of heart comes slow
It's not a hill, it's a mountain
As you start out the climb
Listen for me, I'll be shouting
Oh,we're gonna make it all the way to the light
But you now I'll go crazy if I don't go crazy tonight
Baby, baby, baby, I know I'm not alone
Baby, baby, baby, I know I'm not alone
It's not a hill, it's a mountain
As you start out the climb
Listen for me, I'll be shouting
Shouting to the darkness, squeezing out sparks of light


I'm so confused. I think I've lost my inspiration, I don't know what to write... This last semester at college took every bit of strenght I had. But I still want to write something, it feels like I'm releasing the bad things. But what to say, what to do?
Well, first I'm really happy that 2009/1 has come to an end, it was a veery dark period. Also, now I'm 20 years old... I can't explain why, but I didn't enjoy my 19s... Actually I think I'm just too anxious for the future, haven't you ever felt that way?
I daydream too much, that's the problem... I dream about everything I want to be, and everything I want to do, but those same things are very unreal, they may never happen... but, of course, it is a maybe.
Gosh!!! This is really melancholic. You people are right, I think I am a depressive writer... hahaha
But continuing... my dilemma is that I dream too much, and nowadays, I'm dreaming about things too far away from the present. That's why I feel sad sometimes, 'cause normally all I want happens to come true, and I work a lot for those things to happen [don't go thinking that they fall from the sky..]. But my dreams can't become reallity now.
A post graduation, my trip to England, France and other countries, the best job...
All those things will not come quickly, will they?
Ok, now this text is getting really boring... please, forgive this "outflow" [I don't know if this is the correct word for desabafo.. ehhe]
That is it, now I don't want to write anymore, I'm starting to get angry [don't know why..]
sorry 'bout that all..

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Parte do meu vazio

O que eu tenho é o que me falta
Tenho espaço
Tenho vazio
Falta parte da minha parte
Falta pedaço do meu todo
Sou a metonímia desfeita
A metonímia mal feita
Pisco para luz alguma
Grito para platéia surda
Mas sou o todo de mim
Que me completa por mim mesma
E que é tudo que tenho
Kelly Nery

terça-feira, 2 de junho de 2009

Era um sonho

Um sonho. Era somente um sonho. E ela acordou com a mesma angústia, as mesmas lágrimas. A vida que se repetia todas as noites para ela, a vida perfeita, era apenas um sonho, mais uma vez.
Ela chora, porém o grito ardente fica preso em sua garganta, sufocado. Não lhe é permitido gritar. Lágrimas silenciosas e ácidas são a única forma de esconder do mundo as emoções que não consegue controlar.
Mais um dia começa. Chuva. Chuva quente. Falta de ar... Ah! como ela queria não ter acordado! A vida real é seu pesadelo particular. É andar, andar e não se mover. O tempo passa e ela também, só passa.
Ela é a lagarta e o casulo não abre. Suas asas a escondem do mundo, não consegue voar. As asas a escondem de si mesma.
E ela se recompõe, veste a máscara e se finge de abelha. Trabalha. Tenta apagar a imagem da perfeição, esquecer seus sonhos, não viver mais deles. Impossível.
É noite. E ela sonha.
No sonho, o vento gelado bate em seus olhos. Ela sorri. Música. Ela voa.
Mas é sonho, e ela chora.

quarta-feira, 20 de maio de 2009


Não acredito em destino. Posso até falar dele... mencioná-lo, porém não acredito. E o que seria destino? Quem o inventou? Como posso seguir algo que não entendo?
Se destino é o que está escrito, diga-me, quem escreveu o meu?
Não posso me deixar acreditar em tal coisa.... viraria uma pessoa preguiçosa, acomodada: se minha vida já está escrita, para que preciso me esforçar?
Não, eu escrevo minha vida, eu faço minhas escolhas, realizo meus sonhos. Só eu. Ninguém tem poder sobre o que eu escolhi.
Tudo tem um motivo, uma explicação. Nada acontece por acaso. Se você está andando na rua e encontra um amigo de anos atrás, não é coincidência, é fato: vocês dois moram na mesma cidade e esse mundo é pequeno...
Se você põe o currículo em um lugar e é chamado, não foi o destino que lhe trouxe isso... não foi você que levou o currículo para a empresa?
Acredito que todos temos poder sobre nossas vidas, damos explicações absurdas para o que nos acontece por não querermos admitir que somos nós que temos que suar para ter o que sonhamos. Pobre destino... se ele fosse responsável por nossas vidas, estaria louco, concorda?
Se você não consegue algo que desejava muito, não desista! A vida é feita de oportunidades, basta você aceitá-la ou não. Se não aconteceu dessa vez, quem sabe da próxima você consegue?
Não tem sempre alguem que ganha na loteria? É sempre a mesma pessoa? Claro que não!
Pense nas tantas oportunidades que bateram na sua porta e por algum motivo você teve de largá-las... um dia virá uma que você vai poder agarrar com todas as suas forças! Mas não deixe a sorte trabalhar sozinha nisso, procure... porque as oportunidades virão se você prestar atenção, somente assim... elas precisam de convite...
Nada está escrito, gravado em mármore. Você escreve o que quer no seu livro da vida. Não culpe outros pelo que você não tem. Corra atrás... se parar para pensar no que você já conquistou, com certeza irá perceber que foi tudo com muito esforço, seu esforço. Ninguém mais além de você pode realizar seus sonhos, pois somente você os sonha...
Você está sozinho e não poderia haver nada melhor que isso, ninguém pode te atrapalhar, somente você.

terça-feira, 28 de abril de 2009


O que seria da vida sem o passado, sem as lembranças??
De repente acordei com um sentimento profundamente nostálgico. Bateu uma saudade, gigante e avassaladora, que está sempre aqui, comigo, porém dessa vez veio com força. Tão forte que chegou a doer.
Ontem estávamos falando sobre a palavra “recordar” na aula de Literatura Brasileira III... “re” significaria a repetição, “trazer de volta” e o resto da palavra viria de “cordis”, coração em latim... então recordar seria trazer de volta ao coração. Trazer lembranças perdidas pelo tempo, escondidas pela dor, apagadas pela vida...
Não acho ruim lembrar do que nos fez feliz, não acho que seja unhealthy.. acho q é algo inevitável. Não sonho com o momento querendo que ele volte exatamente como me lembro... o que eu busco é o sentimento, a pequena porção de memória que me deixou tão feliz.
Tais momentos contribuíram para o que sou hoje e para o que serei amanhã, construíram comigo o caminho que percorri até aqui. Então não me culpem se eu disser que sinto saudade do que já foi, do que já fiz. Sinto falta de pessoas que me fizeram rir, das que me fizeram amar, até daquelas que me fizeram odiar..
Sinto falta do tempo em que as preocupações eram mínimas, as responsabilidades eram fáceis... sinto falta até do clima, de sair cedinho para ir à escola e sentir meu nariz congelar com o frio da manhã...
Sinto falta dos meus amores impossíveis, e dos amigos imprevisíveis...
Quero voltar a rir de tudo, ser criança querendo ser adulta, achar graça das coisas mais estúpidas! Quero brigar por besteira e gargalhar depois, jogada no chão com as mãos na barriga, sem ar. Queria poder gritar, chorar e rir sem ter motivo.
Queria ter 16 anos, quando tudo era mágico. Era a melhor época... tudo era meu, tudo eu podia, não haviam barreiras, não havia ridículo, eu era a dona do mundo.
Amaria poder sentar durante horas com minha melhor amiga na calçada, e só sair de lá porque nossas mães nos obrigavam. Queria falar mal do professor de matemática e reclamar que ele passou muito dever, agora quem escuta reclamação sou eu, ironia do destino... me tornei professora...
Queria não ter que me preocupar com o mercado de trabalho, ou se vou conseguir pagar as contas do mês seguinte.
Quero chorar nos braços de meus amigos pelo namoro acabado, pelo que nem chegou a começar e achar que isso é o fim da minha vida... e no dia seguinte, já esqueci.
Eu amo o passado tanto como sei que vou amar o futuro. Minhas decisões são baseadas no que já vi e vivi. Cometo erros agora, mas daqui a um minuto não os cometerei, pois o passado ensina.
Dizem que não é bom pensar no passado, mas o que seria de você se não pudesse lembrar da festa de formatura ou do carnaval incrível de anos e anos atrás? Não é bom lembrar da páscoa com seus primos e milhões de chocolates só para você? Ou do Papai Noel que escondia seu presente dentro do forno?
Gosto até de lembrar que a passagem de ônibus costumava ser 1 real! Incrível, hein?? rsrs
Eu lembro! Lembro e sinto saudade! Saudade dos amigos, das pessoas que vieram e não duraram, nas que vieram e vão ficar para sempre! Amo todos vocês, do passado de ontem e do de cinco anos atrás! Amo vocês do meu presente, e aqueles do meu futuro. Os amo porque o passado me preparou para isso, ele nos prepara para viver sem ele... nos preparou para viver o futuro, porque quem vive de passado é museu... e eu vivo de recordações...

domingo, 19 de abril de 2009

It makes me fly!!!

Não entendo nada sobre música. Não sei o nome das notas musicais, não sei ler partitura, não toco instrumento algum. Admiro aqueles que têm o dom de tocar piano, ou aqueles que só precisam ouvir a música uma única vez para poder tocar no violão.
Mesmo não entendendo a “mecânica” por trás dos instrumentos, a música tem aquele efeito que os livros causam em mim, the hummingbird wings again! É como se cada nota que ignoro vibrasse em meu coração, fazendo brotar todo o tipo de emoção possível.
Acho engraçado como existe uma música perfeita para cada momento de nossa vida. Ou que às vezes nos movemos de acordo com um ritmo, algumas vezes, desconhecido. Música para mim é um gancho que puxa lembranças perdidas na bagunça de nossas mentes, trás com sua melodia toda a pequena mudança de humor que ela fez acontecer.
And sometimes, a música é simplesmente um toque especial que te faz sorrir, apreciar o momento. Ela é a descrição de um sentimento, um desejo, um acontecimento que, mesmo escrita por outro, se encaixa perfeitamente com seu modo de pensar e agir. Ela nos faz refletir sobre nossas ações e reações, nos traz conforto, extravasa nossa ira, dá som às nossas paixões...
A música está em toda a parte, dentro e fora do ser humano. Todos temos nossas preferidas, e todos nos espantamos por gostar de um estilo diferente ou de um ritmo que não bate com o que estamos acostumados. E analisando tudo o que você gosta, é possível perceber as semelhanças entre seus gostos, assim como o motivo pelo qual você gosta de tal música.
Eu gosto de músicas que explodem de repente, de músicas que aceleram minha respiração. Gosto daquelas que me inspiram e daquelas cuja letra resume toda a minha vida. Gosto das mensagens que elas me passam, e das mensagens que vêm sem querer...
Músicas com conteúdo, músicas que não me dizem nada, músicas que não entendo, músicas que eu entendo muito bem... amo todas!
Amo sentir o corpo vibrar, o sorriso se abrir, a lágrima escorrer, seja por dor ou por alegria, emoção. Música é vida... viva a música, siga essa estrada!

sábado, 18 de abril de 2009


Uma parte de mim
é todo mundo:
outra parte é ninguém:
fundo sem fundo.
Uma parte de mim
é multidão:
outra parte estranheza
e solidão.
Uma parte de mim
pesa, pondera:
outra parte
Uma parte de mim
alomoça e janta:
outra parte
se espanta.
Uma parte de mim
é permanente:
outra parte
se sabe de repente.
Uma parte de mim
é só vertigem:
outra parte,
Traduzir uma parte
na outra parte
que é uma questão
de vida ou morte
será arte?

Ferreira Gullar

sexta-feira, 27 de março de 2009


Today I wanna talk about happiness... Mas você sabe o que é isso, felicidade? Eu não sei direito...

Me disseram um dia que para cada momento de felicidade existem dez outros de tristeza. E não é que é verdade! E se você for pensar bem... cada um desses momentos de tristeza é extremamente mais forte e impactante que o singelo momento em que nos sentimos felizes, vivos... Ahh que mentira!!

That is the beauty of happiness! É ai que está o grande X da questão... se não fosse o único e solitário instante de alegria em nossos dias, não seríamos capazes de viver a vida... Estaríamos sempre em uma depressão profunda e crônica! Percorremos nossa jornada diária e enfrentamos a monotonia do mundo para provar mais um pouco do sentimento mais incrível que nossos fracos corações já experimentaram: Happiness!

E se não fosse pela tristeza.. a felicidade não teria sentido.. concorda? Bem, é o que eu acho... eu acho! hehe

But when do you know you are happy?? Ah! Nas pequenas coisas.. e nas grandes também! Felicidade não tem tamanho... ela nos visita na proporção que acha adequada para nossa saúde... Imagine ter toda a felicidade do mundo... que chato! Não ter nada pra se preocupar.. pra se aborrecer! Não... a felicidade sabe o que faz! São essas doses diárias que nos fazem seguir em frente... são momentos, instantes ás vezes, que nos fazem levitar... achar que o dia valeu apena.
O dia pode estar nublado, chuvoso, mas quanto um raio de luz solar atravessa a espessa massa cinza no céu, você não sente um alívio no peito, como se fosse o ar fresco enchendo seus pulmões e as vezes chegando aos olhos para se transformar em lágrimas mornas e alegres?
É assim que funciona a felicidade... você pode estar inundado de tristeza e dor, mas no instante em que o precioso raio de Sol te toca o rosto, você respira como uma nova pessoa...

And that's that... Felicidade e tristeza andam juntas, de mãos dadas... uma precisa da outra pra nos trazer equilíbrio, harmonia.. Cabe a nós apreciar os pequenos e grandes momentos de sol que a vida nos proporciona.

So... Be happy!!

quarta-feira, 11 de março de 2009


Estou olhando para a lua agora. Tão longe, tão só. Não, não a lua... ela está rodeada de estrelas, planetas, num universo infinito e perturbador. Sou eu quem está longe, quem está só. Ao meu redor pessoas, olhares e gestos passam despercebidos.
Onde estou?
Escuro. Silêncio. Não sei.
Uma lágrima seca, sem vida escorre pela face da bela menina aprisionada dentro dela mesma. E esta prisão a consome, esgarça sua mente, desgasta seu corpo. Quem é ela? Seria eu? Se for, tal lágrima é uma mentira. Pois não existem buracos que não possam ser preenchidos, ou prisões que não tenham saída.
Vejo-me perdida no meio de reflexões inúteis, pensamentos errôneos e vazios, que nunca me levarão a lugar algum. São pensamentos que não só não me fazem bem como também me fazem mal, como se eu sentisse prazer no vazio da alma. Mas que vazio?? Como posso eu falar de vazio quando tantos me cercam e me nutrem de carinho?
Serão esses sentimentos ilusões? Talvez sim. Talvez sejam tais ilusões que me aprisionam e que me mantém neste vácuo escuro e sombrio.
O vazio... este vazio é o meu sentir só, é a vontade de chorar do nada, é o que faz parecer que o ar não circula por toda a extensão de meus pulmões.
Daí eu descubro: a prisão interna é mera ilusão. A vontade de sentir-se triste, de ser miserável é apenas um disfarce para algo muito comum.
Algo que pode ser descrito em apenas três letras: TPM!

domingo, 8 de março de 2009

Can you feel it?

As I sit here, I feel that I have so much to say, but cannot seem to put into words what exactly I am feeling. These are very difficult things to describe, feelings. And that's what this blog is about: feelings, my feelings. I'll be honest with you, I'm here only because my friends have a blog now and I have some company! hahaha
About the feeling stuff, well, this is a hard subject because I'm not sure yet about its ways. I don't know what happens with me when I’m exited or anxious, do you?? What got my attention were the reactions to such feelings. Whenever I'm happy, anxious, nervous... my heart just goes crazy, like hummingbird wings. And it feels amazing! I don't know, but it must be near the effects of some drugs... It feels like fire, like the adrenaline rushing through our veins... (haha this last sentence is funny...)
When does it happen?? All the time! It depends on what I’m doing, but it mostly happens when I’m reading. Yes, reading! I’m a fainted heart, I cry, I laugh, I feel every change in the mood of the book I’m reading as if it is happening with me!
You may say I’m crazy… but don’t you feel it? when you are so deep concentrated that your breath starts to be marked by the character’s actions…
I felt nervous when Anne Frank had her first kiss. I felt devastated when Ariana had to runaway, alone and pregnant, from Germany. I felt incredibly happy when Harry kissed Giny, so happy that I started reading the chapter again, so I wouldn’t miss anything. I got depressed with Bella when Edward left her. I felt the anxiety that Robert Langdon must’ve felt when he discovered the Holy Grail.
Yes, these are my favorite parts of my favorite books. Now think: wouldn’t you like to runaway from your busy head and get inside a whole new world, where you can be someone else, where you are able to do every different thing you could possibly imagine? You can be a hero, a princess, an ordinary person that is not ordinary at all (because ordinary people in the books I read are always the most interesting and exiting characters of all).
That’s why I compared myself, my heart, to a hummingbird. The frenzy of the feelings I borrow from my favorite characters never stops. I still feel my heart accelerate only by thinking of that moment when I was someone else, when I could do magic, when I could fly.
I guess this could be an explanation for why I’ve created this blog. I must have been feeling very exited or happy or depressed, I don’t really remember, but it was surely something like that.
An advice? > Try to embrace the fantasy, to get deep inside your imagination, it’s really better than a day spa!
Sorry about my mistakes, and thank you for reading.
Ps.: Ariana - Character from "The Ring", by Danielle Steel
Anne Frank - From "The Diary of Anne Frank"
Harry and Giny - Characters from the book series "Harry Potter", By J.K. Rowling
Bella and Edward - Characters from the Twilight Saga, By Stephenie Meyer
Robert Langdon - Character from "The Da Vinci Code", By Dan Brown

sábado, 7 de março de 2009

Tenho pensamentos que, pudesse eu trazê-los à luz e dar-lhes vida, emprestariam nova leveza às estrelas, nova beleza ao mundo, e maior amor ao coração dos homens.

Fernando Pessoa